Suplementos não são anabolizantes e não fazem milagres – Conexão News

Suplementos não são anabolizantes e não fazem milagres

ISA

O mundo fitness está cada vez mais em alta, basta seguir alguns famosos em redes sociais e se situar da evidência que vem ganhando este universo. Bella Falconi, Eva Andressa, Gracyanne Barbosa, Juju Salimeni e Felipe Titto, são apenas alguns pouquíssimos nomes de brasileiros que fazem sucesso em seus perfis com postagens envolvendo rotina de treinos, alimentações saudáveis e dicas de produtos de beleza e de reforço nutricional.

A ditadura da beleza prima pela busca do “corpo ideal”, o que leva a sociedade a se espelhar em artistas como esses para alcançar o objetivo de deter um corpo escultural. Porém, seguir dicas ou buscar fazer as mesmas atividades que outra pessoa, não é recomendado porque cada um tem uma necessidade diferente para seu organismo, tanto para atividades físicas quanto para alimentação.

Recomendações de produtos para suplementação é algo bem comum neste universo de celebridades fitness. Recebendo cachê para divulgar proteínas, energéticos, cafeínas, entre tantos outros produtos de complemento de dieta, os famosos estimulam o uso destes e, mesmo dizendo que tem que haver um acompanhamento médico, é comum que não aconteça isso por conta até dos custos em seguir uma dieta balanceada, montada por um nutricionista ou algum profissional desta área.

Os riscos de consumir produtos como suplementos sem uma orientação profissional são variados. Por mais que haja substâncias que só complementem nutricionalmente o organismo, as dosagens devem ser específicas para cada tipo de atividade física e peso, além disso, algumas pessoas têm restrições a esses tipos de produto. “Pessoas com diabetes, pressão alta, anemia e hepatite só podem fazer uso desses suplementos após avaliação criteriosa do médico e nutricionista”, explica o educador físico e atleta Eduardo Kawata, que trabalha com venda de suplementos.

Segundo Eduardo, o uso de suplementos existe para atender um público que necessita complementar uma alimentação deficiente, pessoas que desenvolvem atividades físicas onde o gasto de nutrientes é grande, praticantes de academia que visam aumento ou redução de peso. “Isso tudo deve ser acompanhado de uma alimentação balanceada e de bons hábitos de vida como sono, boa alimentação, evitar bebidas alcoólicas e fumo”, expõe o educador físico.

São diversos os produtos de suplementação encontrados no mercado. O Whey Protein, por exemplo, geralmente contém proteínas extraídas do soro do leite, indicada para o uso após a atividade física por conter propriedades regenerativas e de rápida absorção pelo organismo, ou como complemento de dieta alimentar para praticantes ou não de exercícios. Já a creatina é composta pelos aminoácidos Arginina, Glicina e Metionina e sua ingestão costuma ser recomendada após o treino, diferente do BCAA, que são aminoácidos ou compostos de aminoácidos (moléculas que dão origem às proteínas) que podem, como a cafeína, ser consumidos antes dos treinos.

Mas estes produtos e todos os outros, como já foi exposto, devem conter uma recomendação profissional porque há melhor período para ingestão e quantidade ideal para cada pessoa. Aliados a uma boa alimentação e rotina de exercícios físicos, eles podem trazer benefícios bem evidentes para quem consome. Porém, tudo ao seu tempo, com dedicação e paciência para os resultados porque suplemento não é um produto que tem resultado imediato, é uma complementação da alimentação, não adianta suplementar se não há equilíbrio com a alimentação e rotina de exercícios. Além disso, o corpo precisa estar preparado para consumir a ingestão de nutrientes além daqueles que ele próprio já produz.

A atleta Josleine Goes, 25, participa de competições Bodybuilding e, no final de 2014 alcançou o Top Five no Sul Brasileiro, realizado em Balneário Camboriú. Ela só passou a consumir suplementos após três meses do seu início na musculação, há cerca de três anos. “Comecei por recomendação do Personal Trainer, para auxiliar na otimização dos resultados”, conta ela. Josleine procurou um nutricionista e depois um endocrinologista para reforçar os nutrientes em sua dieta. Mesmo seguindo famosas como Juju Salimeni nas redes sociais e admirando o trabalho desses artistas, desde que iniciou na musculação buscou sempre se informar com pessoas capacitadas para suplementar.

Josleine Goes após a conquista do Top Five no Sul Brasileiro de 2014. FOTO: Pedro Nossol
Josleine Goes após a conquista do Top Five no Sul Brasileiro de 2014. FOTO: Pedro Nossol

A dieta da atleta Josleine é complementada com Glutamina, Vitamina A – D, complexos vitamínicos, Ômega 3, BCAA, Waximaize, Whey Protein em diferentes concentrações e Vitamina C. “Desde o princípio busquei a simetria do corpo sem perder a feminilidade”, explica a atleta que sente muitas diferenças em seu corpo desde que começou na musculação. “As principais são o ganho de massa muscular, quase dez quilos de massa magra em todos os três anos”, expõe Josleine.

Auxiliado por uma nutricionista esportiva desde que começou a fazer musculação, Marcos Junior, 23, treina há 18 meses e diz que ainda não chegou a seu objetivo com o esporte. Antes com 54 kg e 12% de gordura corporal, passou a tomar suplementos recomendados por sua nutricionista e hoje, depois de um ano e meio de treinos, dietas e suplementação, está com 72 kg e 8% de gordura. “Atualmente tomo Whey Protein, Maltodextrina, Glutamina, BCAA e Hiper Calórico, mas frequentemente me são oferecidos Esteróides, porém nunca fiz e não pretendo fazer uso”, conta Marcos.

Os Esteróides aos quais Marcos se refere são um anabólico, que nada tem a ver com suplemento. É importante não confundir suplemento alimentar, seja ele protéico ou vitamínico e mineral, com anabolizante, que deve ser utilizado para prevenir e tratar problemas ligados ao hormônio sexual masculino ou do crescimento. Isso porque os anabolizantes, também conhecidos como “bomba”, são ilegais se usados para outros fins como potencializadores de força, por exemplo. Diferentemente dos suplementos — que são feitos à base de vitaminas, proteínas, aminoácidos, ácidos graxos, oligoelementos, e alguns fitoterápicos –, eles são derivados sintéticos de hormônios e outras substâncias que oferecem riscos à saúde.

Foram três anos para Josleine obter os resultados que a capacitaram para ganhar o prêmio na competição de Bodybuilding e mais alguns meses para Marcos Junior chegar no corpo que pretende. Mesmo sabendo que os resultados que eles pretendem alcançar seriam mais rápidos fazendo uso de anabolizantes, ambos recusaram, pois pretendiam seguir uma linha árdua de treinos e suplementação legal. Marcos sabe dos riscos que as substâncias ilegais podem trazer e que é um efeito ilusório. “O resultado com suplementos é um resultado com qualidade, já a “bomba” nada mais faz que te deixar inchado”, diz ele.

Marcos Junior diz que prefere demorar a ter resultados do que tomar substâncias anabólicas que acelerariam o processo e, consequentemente, prejudicariam sua saúde. Foto: Arquivo pessoal

Já Caroline Freitas*, 26, tomava proteínas e outros produtos, mas experimentou as substâncias Oxandrolona, que tem como principal característica o aumento de força e a queima de gordura, e Primobolan, uma droga cara também chamada de Metenolona, que é derivada de Dihidroboldenona e visa definição e aumento muscular. Ambas são substâncias ilegais que Caroline conseguiu com pessoas que trazem de fora, de países como Paraguai. “Fiz um ciclo curto com dosagens baixas e hormônios mais indicados para mulheres. Senti uma leve alteração nas cordas vocais. Mas a força e disposição para treino triplicam, é instantâneo, você tem maior disposição, sua força dobra e logo ao término de cada treino, sente como se os músculos já estivessem em processo de crescimento”, conta Caroline.

Os “ganhos” que o anabolizante proporciona são altamente prejudiciais ao corpo, já que este não está preparado para suportar uma carga acima de sua capacidade. As substâncias aceleram processos que levariam meses, muitas vezes anos, para serem sentidos por quem prioriza a saúde e segue dieta alimentar aliada à suplementação e exercícios físicos adequados. Os anabolizantes são fabricados para proporcionar o aumento do hormônio masculino testosterona, por isso a indicação médica para tratamentos hormonais. É uma substância sintética produzida por indústrias farmacêuticas, que, quando usada para acelerar processos de ganho de força, massa e outros “benefícios”, podem causar queda de libido, disfunção da glândula tireoide, câncer de fígado, infertilidade, doenças cardíacas, acne, hipertensão, agressividade, queda de cabelo, danos aos rins e ao fígado. No homem há o crescimento da mama e na mulher a voz fica mais grave, como sentiu Caroline, e ainda a desregulação do ciclo menstrual e aumento nos pelos.

Além dos efeitos colaterais, que podem ser desde uma desproporção física a problemas de saúde que podem causar um AVC (Acidente Vascular Cerebral), os anabolizantes são grandes agravadores de lesões justamente por conta do corpo do usuário não ter a potência que a droga o faz sentir que tem. “O uso pode ser atribuído a diversos objetivos: entre os atletas profissionais é a necessidade de superar marcas , recordes por questões ligadas ao seu ego ou pela pressão financeira, já que atletas dependem de patrocínios e disputam prêmios em dinheiro. Na questão da estética acontece que muitos procuram no uso do anabolizante a concretização pessoal de um corpo perfeito, uma melhor aparência muscular”, esclarece o educador físico Eduardo Kawata.

Caroline Freitas sabia dos riscos a que estaria sujeita e fez tudo sem acompanhamento médico. “Me informei muito antes de realizar o ciclo, mas não indicaria. Se você não se importa com a sua saúde e sim com o seu físico, vá em frente, mas procure um profissional que possa te instruir, isso não é brincadeira, muita gente morre por não saber como fazer o uso da droga”, comenta Caroline. Ela pretendia fazer seis semanas de ciclagem das drogas, mas na quinta semana as costas de Carolina ficaram repletas de espinhas e os efeitos colaterais estavam ficando muito fortes. Foi então que ela resolveu interromper o ciclo e teve que fazer um TPC (tratamento pós ciclo) porque como o anabolizante estimula a alta produção de hormônio, quando o corpo para de receber a droga, a produção cai drasticamente e então é necessário controlar para que a produção diminua aos poucos e não haja problemas maiores.

Caso recente de pessoas que também fizeram uso de produtos ilegais e perigosos em nome da beleza e que tiveram grande repercussão no Brasil é o da Vice Miss Bumbum 2012 Andressa Urach e do Fisioculturista Romário dos Santos. Andressa, 24, injetou hidrogel nas coxas e nádegas e depois de sérios problemas de saúde quase teve os membros necrosados, correndo risco de amputação. Depois dessa fase de grandes complicações médicas a modelo expôs na mídia que fez uso de anabolizantes por muito tempo, o que causou diversos efeitos ruins para ela. Além da voz mais grave, muito pelo e acne, Andressa teve outro efeito colateral pelo uso de esteróides: seu clitóris aumentou alguns centímetros de tamanho e por conta disso ela teve que fazer até uma cirurgia íntima para corrigir o problema.

Andressa antes e depois da retirada do hidrogel, quando passou a falar sobre tudo o que fez em nome da beleza. Fotos: Rodrigo Capote/ AKM GSI
Andressa antes e depois da retirada do hidrogel, quando passou a falar sobre tudo o que fez em nome da beleza. Fotos: Rodrigo Capote/ AKM GSI

O fisioculturista Romário dos Santos Alves, 25, também chamou a atenção da mídia no começo de maio deste ano por quase ter que amputar os braços. Ele injetou a substância Synthol, que, além de prejudicial à saúde, endurece os músculos e os deixa maiores. Depois de quase perder os dois braços, Romário entrou em depressão. Ele expôs na época que usou a substância porque via outros caras com músculos grandes na academia que frequentava e queria ficar igual; depois que fez o uso do Synthol ele se empolgou com os resultados e com a fama de “Hulk Brasileiro” e não conseguia mais parar. Romário teve que fazer cirurgia para retirar os tecidos danificados e ainda corre risco de amputação.

Os bíceps de Romario chegaram a ter 63,5 cm de circunferência. FOTO: Reprodução perfil Facebook
Os bíceps de Romario chegaram a ter 63,5 cm de circunferência. FOTO: Reprodução perfil Facebook

Os resultados que os anabolizantes proporcionam podem parecer incríveis por serem mais rápidos e serem melhor sentidos, porém os efeitos colaterais podem ser irreversíveis. Alterações das enzimas do fígado, diminuição dos níveis do HDL (o chamado colesterol bom) e o aumento das células do sangue já são fatores causados por anabolizantes que podem levar uma pessoa a sofrer problemas cardíacos, isquemia cerebral, trombose ou uma embolia. O coração é um músculo que também sofre gravemente com o uso das substâncias ilegais, porque o esteróide faz com que a fibra cresça e o coração acompanha este crescimento, ficando maior e dificultando a irrigação de sangue, o que faz o órgão perder a potência dos batimentos.

Usar suplementos em excesso e sem supervisão e orientação de um profissional também pode ser perigoso e trazer resultados diferentes dos desejados. Há estudos que dizem que consumir proteína, por exemplo, além do que o corpo precisa, não faz mal porque o corpo se adapta às mudanças de quantidade, mas para quem pretende emagrecer pode se tornar um empecilho já que em excesso ela engorda. “Quando se consome excesso de proteínas, que não participará da renovação proteica, esta pode ser transformada em gordura corpórea. Ao contrário do que muitas pessoas imaginam, proteínas podem sim ser convertidas e armazenadas no corpo como gordura”, finaliza Eduardo Kawata.

Procurar uma orientação médica tanto para exercícios físicos quanto para complementar uma dieta com suplementos é muito importante. Apenas se basear no que artistas e famosos do mundo fitness fazem e consomem pode trazer resultados contrários aos desejados porque, como já foi dito, cada organismo tem uma necessidade diferenciada. Além disso, alguns produtos podem causar até alergias. Portanto, acompanhar as pessoas que conquistaram corpos que são considerados “perfeitos” pela sociedade é legal quando isso incentiva a prática de atividades físicas e o não-sedentarismo. Sentir-se bem com o próprio corpo é o fundamental e tem muitos recursos para que isso aconteça, basta saber usá-los com responsabilidade.

*O nome Caroline Freitas é fictício da personagem que não quis ser exposta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *