Carta ao amor que nunca foi meu – Conexão News

Carta ao amor que nunca foi meu

Eu tentei. Te juro, tentei muito conquistar seu coração. Mas, tem horas que temos que aceitar que o não nunca vai virar sim. De todos os amores capazes de fazerem meu coração bater forte o seu foi o único que não o magoou. De todas as mulheres que passaram pela minha vida você foi a única que eu nunca tive em meus braços e a que eu mais amei.

Mas nem tudo na vida é como a gente quer. Eu sei, seu coração é de outro. Dói? Dói. Mas vou fazer o que? Tenho que aceitar infelizmente. Fechar a página do nosso romance que nunca aconteceu a não ser em meus sonhos e seguir a vida. Vai ser difícil? Vai. É você a responsável pelos meus sorrisos mais bonitos, pela minha determinação além da conta. E, principalmente, por eu olhar a vida com uma ótica diferente.

Você foi meu grande amor, mas não tive o poder de conquistar esse seu coração complicado. Me enfiei de cabeça, me dediquei ao máximo, tudo em vão. Tudo para te conquistar e provar que meu amor é verdadeiro. Nada adiantou. Eu talvez seja o eterno cara que vai estar esperando uma chance de te fazer feliz. Mas, vou esperar até quando?

Essa talvez seja uma carta de despedida, daquelas que são escritas apenas uma vez na vida. Eu sei que você vai lembrar de mim, assim como sempre irei lembrar de você. Talvez esse seja o nosso final feliz. Talvez seja assim que as coisas têm que ser. Mas, você vale muito a pena. Por mais que meus olhos se encham de água e o pranto escorra pelo meu rosto. Essas sejam as palavras mais complicadas de serem escritas, por mais que eu pense que desistir é o melhor caminho para vê-la feliz, com outro é claro e eu bem longe tentando esquecer que um dia te amei pra caramba, eu penso se é o certo desistir dos sonhos.

E, sabe, talvez essa seja só mais uma das cartas que escrevi, que se molharam com meus choros e que no fim tiveram o mesmo caminho, o lixo. E no fim? Ah, o fim é o mesmo, sigo em busca do dia que o não vai virar sim e a gente vá viver uma história de amor.

Felipe Andrade

Um comentário em “Carta ao amor que nunca foi meu

  • 15 de outubro de 2015 em 0:51
    Permalink

    Devemos amar ao próximo como a nós mesmo. Isso é verdade.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *