Me deixem comer em paz

ISA

Uma coisa que reparo muito é o quanto as pessoas se preocupam com o que estão comendo por se sentirem culpadas quando ingerem algo “engordativo”. Além disso se preocupam demais com o que fulano ou ciclano pode falar pela quantidade de alimento que está comendo. Isso porque elas estão pensando nas consequências na aparência, antes fosse para a saúde.

Acho que essa questão de Saúde e Bem Estar tem que ter a interligação de ambos. Quer dizer, não adianta ter saúde para dar e vender se isso não te traz bem estar e vice-versa. Uma coisa que parece até óbvia, mas que parece ter sido escondida nesse mundo que hoje está tão obcecado com a aparência, chegando até mesmo ao ponto de mães, que deveriam curtir a fase materna do recém-nascido, estarem mais preocupadas em tentar chapar a barriga porque “imaginem o que vão falar se não recuperar o peso antigo”.

Não acho que aquela história de sacrifício hoje para satisfação amanhã seja algo que todo mundo deva fazer. Não mesmo. Faz quem tem que seguir ou quem gosta. A menos que você seja atleta, fisioculturista ou algo assim, seguir dietas pesadonas com sacrifício chega a ser absurdo. Cadê a possibilidade de ser feliz comendo aquela lata de leite condensado depois de um dia cansativo de trabalho?

Fazer coisas desse tipo contra a nossa vontade é tortura. Por que ficar comendo coisas sem gosto, que não te agradam e em porções minúsculas se isso não te faz bem por completo? Saúde não é só comer “coisas saudáveis”, é saber que tudo tem um limite e seu corpo idem.

Vejo muita gente se aventurando em arriscadas dietas e regimes, mas depois descontam tudo em alimentos hipercalóricos, tendo o efeito contrário ao desejado. Se você quer emagrecer, ganhar massa, ou qualquer algo assim, não é a dieta de fulano ou de artista x que vai te ajudar e, sim, uma orientação médica de qualidade.

Não adianta fazer loucuras e prejudicar ainda mais seu organismo. Não adianta ficar horas sem comer porque diz que quer perder peso e quando ingerir algo ser um belo de um pudim gigantesco. Temos que ter bom senso e, principalmente, cuidado porque a alimentação é algo fundamental, afinal é o que nos dá energia para tudo.

Se eu quero comer um pudim, uma bata frita ou um prato de salada de alface, o problema é meu. Me deixem comer em paz! é gostoso atolar a cara e o estômago em gordices para dar um tempo da correria do dia a dia ou simplesmente para saborear coisas diferentes e adoçar a vida. Só não dá reclamar das consequências dos meus atos.

Se eu como só coisa industrializada isso vai ter um efeito no meu organismo, se eu como só coisas mais naturais, vai ter outro e assim por diante. Tanto que não adianta comer só verduras e legumes se os mesmo tiverem toneladas de agrotóxicos, vai ter um efeito tão ruim pro organismo quanto um produto cheio de conservantes. Que paradoxo, não?

Portanto, recorrer a loucuras em busca do corpo desejado é prejudicial a saúde e não vai te fazer bem nem fisicamente e nem psicologicamente. Procure a orientação de um profissional, que te ajude a balancear e chegar ao que você deseja. Sacrifícios desnecessários são dispensáveis e comer sem culpa e com muita vontade é uma das melhores coisas do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *