Brasil mantém hegemonia e é campeão por equipes masculinas e femininas após grandes finais

Da Redação

Fotos: ITTF

A seleção brasileira de Tênis de Mesa fez história mais uma vez, nesta quarta-feira (3), em San Juan (Porto Rico), sede do Latino-Americano. Na noite de ontem, o Brasil bateu as anfitriãs na decisão feminina e os tradicionais rivais argentinos na final masculina, chegando à marca de 27 títulos por equipes, sendo nove consecutivos entre os homens e seis para as mulheres. Agora, todos os brasileiros seguem na briga pelo título individual, além das disputas de duplas e duplas mistas. O Latino segue até domingo (7).

A seleção feminina, formada por Lin Gui (130ª colocada no ranking mundial), Caroline Kumahara (139ª), Ligia Silva e Bruna Takahashi (158ª), desbancou as anfitriãs de Porto Rico numa final eletrizante e se sagrou campeã do Campeonato Latino-Americano por equipes. A vitória veio no quinto jogo, por 3 partidas a 2.

Caroline Kumahara foi a primeira a ir à mesa na decisão e não começou bem, perdendo o primeiro set para Melaine Díaz (314ª) por 11/8. Na sequência, a brasileira se recuperou e cresceu de produção até vencer a partida de virada – 11/9, 11/6 e 11/3.

A segunda partida foi entre Lin e Adriana Díaz (100ª). Jogando com o apoio da torcida local, a jovem de 15 anos venceu o primeiro set (11/5), mas viu a brasileira empatar logo depois (11/9). Mesmo assim, Adriana não se abateu e levou as duas parciais seguintes (11/3 e 11/6), igualando o placar do confronto em 1 a 1.

Nas duplas, Bruna Takahashi se juntou a Kumahara para encarar Daniely Rios (328ª) e Melaine Díaz. Após um confronto extremamente disputado, as donas da casa acabaram levando a melhor – 3 a 2, parciais de 11/13, 11/9, 6/11, 11/7 e 11/8 – e virando o placar geral.

De fato, a responsabilidade de manter o Brasil no páreo não pesou nada para Lin Gui. Diante de Danielly Rios, ela voltou disposta a apagar a derrota anterior – e assim o fez. Triunfo por 3 a 0, parciais de 11/3, 11/5 e 11/7, sem maiores dificuldades.

Assim, restou o quinto e último jogo, o esperado confronto entre Adriana Díaz e Bruna Takahashi. Juntas, em setembro, as duas se sagraram campeãs mundiais infantis por equipes (a disputa era continental, logo o time era formado por atletas da América Latina), no Egito. Naquela ocasião, Bruna ainda faturou o ouro individual, enquanto a portorriquenha foi bronze.

Agora jogando em casa, Díaz se mostrou extremamente motivada logo de início e venceu o primeiro set por 11/6. Bruna, por sua vez, tomou mais a iniciativa na sequência e empatou na mesma moeda: 11/5.

Com diversas trocas de bola que levantavam o público, as duas jovens protagonizaram dois sets espetaculares na sequência. No terceiro, Bruna venceu por 12/10. No quarto, e último, a confiança da brasileira falou mais alto e assegurou o título com um 14/12, seguido imediatamente por uma corrida para abraçar as companheiras de equipe e o técnico Hugo Hoyama. Em seu primeiro Latino-Americano adulto, Bruna – aos 15 anos – não decepcionou.

Entre os homens, Brasil supera rivais históricos e é campeão sobre a Argentina

A equipe masculina repetiu o feito das mulheres e sagrou-se campeão por equipes após superar a Argentina na decisão. O time formado por Hugo Calderano (74º colocado no ranking mundial), Vitor Ishiy (273º), Eric Jouti e Humberto Manhani derrotou os ‘hermanos’ por 3 partidas a 1.

Essa foi a 16ª taça do Brasil no naipe masculino do torneio por equipes latino-americano, sendo a nona vez consecutiva que a seleção leva o ouro para casa. Assim, além de despachar os tradicionais rivais, o país manteve a soberania na competição.

Rival inspirado não foi suficiente para interromper sequência de títulos brasileiros

O primeiro confronto que deixou a seleção na frente do placar na final colocou frente à frente Eric Jouti e Gaston Alto, com vitória do paulista por 3 a 1, parciais de 11/4, 11/8, 6/11 e 11/7. Logo depois, Rodrigo Gilabert protagonizou a grande zebra da noite: venceu Hugo Calderano por 3 a 2 – parciais de 3/11, 12/10, 4/11, 11/7 e 11/9.

A equipe verde e amarela, mesmo assim, não se abateu e voltou a liderar a corrida pelo título com triunfo nas duplas. Assim como ao longo da competição, os campeões brasileiros Jouti e Vitor Ishiy demonstraram entrosamento e venceram por 3 a 1, mesmo saindo atrás na contagem (7/11, 11/5, 11/6 e 12/10).

Por último, Vitor foi à mesa para encarar o algoz de Calderano, que sem dúvidas estava vivendo um bom dia. Mesmo largando na frente (11/8), Ishiy viu o argentino virar o jogo (14/12 e 11/7). No fim, prevaleceu a técnica do atual campeão brasileiro de inverno, que superou Gilabert nas duas parciais seguintes (11/9 e 11/5) e assegurou o título.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *