Paranaenses vencem no UFC 198 com apoio da torcida

Por: Aline Reis do site Mulheres Loucas Por MMA especial para o Conexão News 

Foto: Divulgação/UFC

Apesar da temperatura baixa, de 45 mil pessoas estiveram presentes no UFC 198, na Arena da Baixada, neste sábado (14) em Curitiba. E os paranaenses Cris Cyborg, Jonh Lineker e Maurício Shogum Rua presentearam os fãs com três vitórias;

O primeiro a subir no octógono foi Lineker, que é de Paranaguá, no litoral do estado. O lutador enfrentou o americano Rob Font e dominou os três rounds, vencendo por decisão unânime dos juízes. “Muita emoção na hora, adrenalina, lutando em casa. Chamei a torcida para dar uma ajuda e pegar energia positiva. A estratégia era esperar o primeiro minuto, esperar ele se movimentar. Quero me firmar cada vez mais na categoria, melhorar cada vez mais para chegar perto de uma disputa de título”, disse.

Na sequência Shogum Rua enfrentou o também americano Corey Anderson. Contudo, a luta não foi tão simples quanto aparentou o resultado. Anderson dominou quase todo o primeiro round, mas acabou levando uma sequência de golpes que garantiu um dez a nove para o brasileiro. No segundo round a história se repetiu, mas de novo Anderson levou um atraso e com o Knockdown Shogum garantiu o resultado.

“Estou muito feliz, Curitiba merecia um evento assim. Vários campeões saíram daqui. Estou feliz de representar minha cidade com vitória. Hoje eu sou o cara mais feliz do mundo. Agora é comemorar com a minha família e meus fãs. Vou descansar um pouco, melhorar muito e voltar com tudo”, disse o ex-campeão.
Anderson admitiu as falhas e reconheceu o desempenho de Shogum. “Preciso voltar à academia e consertar as coisas. Eu quero um cara do top 10 na próxima. Espero que Dana e Joe sintam que venci essa luta e eu possa continuar em frente. Ou então, eu vou ter que recuar um pouco e refazer meu caminho. Esse é o jogo, você ganha e perde; não há nada que se possa fazer quanto a isso.”

Logo após a lutadora Cris Cyborg, que não perde desde 2005, fez sua estreia no UFC e não tomou conhecimento da americada Leslie Smith e com 1:21 de luta encerrou o combate com um nocaute técnico. “Muita gente me acompanha desde o começo, me segue e esperava que eu chegasse ao UFC. Estou muito feliz. Eu estava ali batendo, não sei. Foi o juiz que interrompeu. Meu papel era continuar batendo”, explicou a curitibana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *