Pode gritar, torcedor brasileiro! Neymar e Weverton brilham e Brasil conquista, pela primeira vez na história, o ouro olímpico no futebol masculino

matheus

Se a final do futebol olímpico da Rio-2016 fosse um filme, talvez nem o melhor roteirista de Hollywood construiria algo como o que se viu no Maracanã na tarde deste sábado (20). Pela primeira vez na história, a seleção brasileira masculina de futebol conquistou a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos. Para apimentar o roteiro, venceu no estádio que, 66 anos atrás, consagrou o Maracanazo; venceu a Alemanha (modificada, é verdade), responsável pelo maior vexame da história do futebol brasileiro há apenas dois anos; venceu com Neymar, ausente na semifinal da Copa do Mundo de 2014, sendo decisivo na finalíssima; venceu com direito a prorrogação e penalidades máximas; e venceu com Weverton, convocado às pressas, justificando a decisão de Rogério Micale e brilhando nos pênaltis, implodindo um Maracanã completamente lotado e arrancando um grito que estava guardado há décadas na garganta de 200 milhões de brasileiros.

Era o confronto entre o melhor ataque da competição – a Alemanha havia marcado 21 gols até então – contra a melhor defesa – o Brasil chegou zerado à final. E os alemães começaram melhor. Brandt arriscou chute da esquerda. Weverton, sem reação, apenas viu a bola explodir no travessão. A resposta veio 3 minutos depois. Neymar fez boa jogada e achou Douglas Santos, que cruzou de primeira e encontrou Luan. O atacante bateu de chapa, mas Süle cortou.

Aos 27 minutos do primeiro tempo, o eterno Maior do Mundo rompeu em gritos, cantos e alegria. Neymar sofreu falta dura de Ginter. O camisa 10 da seleção brasileira foi para a cobrança e, com maestria, encaixou a bola no ângulo superior direito de Horn, que caprichosamente bateu no travessão e pingou dentro do gol.

Não demorou para que os visitantes respondessem. Com 30 jogados, em cobrança de escanteio, após disputa de cabeça dentro da área, a bola sobrou para o meia Meyer, que chutou forte e obrigou o goleiro Weverton a praticar grande defesa.

A trave, tantas vezes inimiga, era a melhor amiga do Brasil no primeiro tempo. Após falta desnecessária de Gabriel Jesus em Meyer, o camisa 7 cruzou e colocou a pelota na cabeça de Ginter. O zagueiro cabeceou e, mais uma vez, viu a bola beijar o travessão. Mesmo com a insistência germânica, a Seleção Canarinho terminava a primeira etapa com vantagem no placar.

Ligado no jogo, o Brasil começou o segundo tempo mostrando muita disposição. Neymar deu arrancada espetacular pela esquerda, ganhou do marcador, chegou na grande área e cruzou para Gabigol, que escorregou e não alcançou a bola.

A saída de bola, muitas vezes precipitada, era um dos poucos defeitos brasileiro da seleção de Micale na partida. E, depois de perder a bola após passe errado com Marquinhos, tomou o primeiro gol nas Olimpíadas. Brandt achou o lateral Toljan na direita. Ele cruzou na medida para Meyer, totalmente livre, chutar no canto direito de Weverton, que nada pôde fazer.

Um dos melhores em campo, Renato Augusto fez grande jogada pela direita, usou o corpo na dividida e cruzou rasteiro. Gabriel Jesus chegou bem, desviou com o pé direito, mas não conseguiu concluir com sucesso ao gol de Horn. A bola apenas saiu pela linha de fundo.

Melhor no segundo tempo, a Alemanha assustou aos 40 minutos do segundo tempo. Brandt puxou ótimo contra-ataque, abriu na esquerda e encontrou Meyer, livre, que bateu com a perna esquerda, mas chutou à direita do gol de Weverton. Como se não bastasse o drama, o juiz encerrou o jogo com a igualdade no placar. A prorrogação era iminente.

Luan, abaixo do esperado, teve grande chance após ser lançado por Douglas Santos, logo aos 6 minutos do tempo extra. O atacante dominou na área, optou pelo corte para o meio e chutou prensado, sem perigo. Um minuto depois, a resposta: Petersen deu grande lançamento para Brandt, na grande área, chutar por cima de Weverton.

Com 15 segundos do segundo tempo de prorrogação, Neymar apareceu e deu grande passe para Felipe Anderson. O atacante invadiu a área e chutou forte, para excelente defesa de Horn. A Alemanha foi responder aos 9 minutos, com Gnabry. Ele chutou forte, mas Renato Augusto se jogou na frente da bola, que desviou. Os pênaltis estavam a caminho – para dramatizar ainda mais uma partida tensa.

Ginter e Renato Augusto abriram para cada uma das seleções, batendo sem chances para Horn e Weverton. Gnabry chutou, Weverton chegou a desviar, mas a bola entrou. Marquinhos deslocou o arqueiro alemão e empatou a série. Brandt e Rafinha Alcântara fizeram as terceiras cobranças. Süle e Luan também cumpriram as expectativas, deixando a série em 4 a 4. Foi então que o goleiro brasileiro apareceu. Petersen chutou no canto esquerdo de Weverton, que pulou bem para fazer grande defesa – e enlouquecer o Maracanã. A última cobrança – não poderia ser diferente – caiu nos pés de Neymar. O craque não hesitou, fez o gol, deu fim à grande decisão e garantiu a 6ª medalha de ouro para o Brasil nestes Jogos Olímpicos – certamente a mais aguardada de todas.

Imagem: Reprodução/Twitter/Rio2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *