Rio-2016 teve pontos positivos e negativos

Danilo

Um mundo novo, esse era o slogan dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. O que vi lá? Bom, vi talvez um Rio de Janeiro que não existe, de acordo com as pessoas da cidade que conversei. O policiamento estava por todo lado, o exército também. Em certos momentos tomava até um susto de ver alguém fardado andando pelas ruas de Copacabana. Se me senti seguro? Em certos momentos sim, em outros não.

O que vi nos Jogos Olímpicos não pode ser descrito somente dentro das competições, tem que ter o ambiente externo também. Vi de tudo um pouco, ainda mais pelas ruas de Copacabana, bairro onde nossa equipe do Conexão News ficou hospedada. Durante o dia andar no calçadão era um prazer imensurável, pessoas de todos os cantos do planete, muita alegria e um clima bacana. A noite a história já mudava. A insegurança para voltar dos jogos de vôlei de praia era bem grande. A polícia não estava mais no meio da Avenida Princesa Izabel, e o exército desaparecia.

Dentro das praças esportivas parecia que tudo era festa, mas para chegar até lá muitos problemas eram encontrados. Tanto para o público quanto para a imprensa. Abaixo citarei algumas coisas marcantes do que vivi nos Jogos Olímpicos Rio 2016.

SEGURANÇA

Durante o dia a cidade se mostrava bem segura, quando a noite chegava o policiamento diminuía, o exército saía das ruas e a população e turísticas conheciam uma realidade inversamente proporcional a vista durante o dia. Mesmo que em plena tarde, umas 13hrs, nossa equipe tenha presenciado um grupo de quatro adolescentes assaltar um funcionário da empresa oficial de transmissão dos Jogos, isso tudo em plena movimentada Avenida Princesa Izabel. Porém esse foi um caso isolado que presenciamos.

Mas infelizmente não veremos um legado olímpico na segurança da cidade. Após as Paralimpíadas a tendência é que volte tudo como era antes dos Jogos.

Em um modo total posso dizer que a segurança nos Jogos Olímpicos foi nota 7. Nota dada pois se preocuparam muito mais com a segurança e policiamento durante o dia do que a noite.

TRANSPORTE PÚBLICO

O metrô e o trem da Cidade Maravilhosa funcionaram perfeitamente. Seguro, rápido e atendendo todos que precisavam se locomover até os locais de competições. O grande problema foi a lotação. Já o BRT, obra feita para os Jogos, a lotação era intensa, o fluxo de pessoas enormes e a organização das estações se perderam um pouco. Esperavam lotar um ônibus, pessoas todas emboladas, para liberar o veículo para sair.

O grande feito dos transporte público foi conseguir levar as pessoas até a porta de quase todas as competições, o principal problema era para ir embora, os meios de locomoção não comportavam o grande público. No dia da final do futebol a estação do Maracanã era quase impossível de ser transitada, devido ao grande número de pessoas usando o metrô. Eu fui pegar o metrô na estação da Carioca, dentro do vagão conversei com muitas pessoas que reclamaram da dificuldade de embarcar em um metrô dentro da estação do Maracanã.

O novo xodó carioca é o VLT, quem utilizou para ir até o Boulevard Olímpico gostou, mas reclamou da lotação nos finais de semana. Com certeza o transporte público é o maior legado dos Jogos, principalmente pelo lançamento da Linha 4 do metrô, o que vai facilitar o acesso de muita gente para a zona sul da cidade.

A nota para o transporte público durante as Olimpíadas é 8.

VOLUNTÁRIOS

Para o público em geral o atendimento foi ótimo. Muitos elogios e pessoas prestativas. Já para a imprensa, o que se viu foram pessoas despreparadas para um competição olímpica. Várias informações não coincidiam. Não sabiam informar o local de entrada da imprensa, nem tampouco horários de ônibus. Os grandes problemas ocorreram nos três primeiros dias.

Jornalistas estrangeiros também tiveram problemas, principalmente pela barreira da língua. Alguns voluntários não sabiam falar inglês ou espanhol, por diversas vezes outros jornalistas interferiram para explicar para os estrangeiros o que estava acontecendo. Nós do Conexão News acabamos ajudando um jornalista do The Sun, da Inglaterra, a chegar até o transporte de mídia, uma vez que a voluntária não conseguia dialogar com o mesmo.

A nota para o trabalho dos voluntários é 6.

PRAÇAS ESPORTIVAS

Os locais de competições eram lindos e modernos.  Em alguns locais o trabalho de imprensa foi dificultado por causa da falta de sinal de internet. As arenas com as principais falhas foram: Arena Carioca 2, Parque Aquático Maria Lenk, HSBC Arena (local de competição da ginástica).

Nota para estrutura dos locais de competições:

para o público: 9

para imprensa: 8

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *