Troca no meio das férias

CASSIO BIDA

Olha eu aqui interrompendo o descanso e “me intrometendo” na programação olímpica do Conexão News para falar de Fórmula 1. Não teve treino, testes, nem corrida. Mas avisei, lá no distante 2 de agosto, que iria voltar se tivesse algo importante acontecendo nos bastidores. E não é que só precisamos de dez dias para isso? Pois é.

Era algo esperado, só não imaginávamos que poderia ser tão rápido. Rio Haryanto não é mais titular da Manor. A notícia veio nesta quarta-feira quando o twitter da equipe deu boas vindas ao novo titular: o francês Esteban Ocon, piloto de testes da Renault e titular da Mercedes na DTM, categoria de carros de turismo famosa na Alemanha.

Ocon tem 19 anos e um currículo interessante. Foi campeão da GP3, um dos degraus de acesso à Fórmula 1, em 2015. Vinha atuando como piloto de testes da Renault por empréstimo, já que tem, assim como Pascal Wehrlein, vínculo com a fornecedora de motores da equipe, a Mercedes. Ele será o 24º piloto a disputar o campeonato de 2016.

Haryanto chegou com o aporte financeiro do governo da Indonésia. Disputou 12 corridas e teve como melhor resultado o 15º lugar em Mônaco. Embora o equipamento da Manor esteja distante de equipes médias como Force India e Toro Rosso, é pouco. Afinal, Wehrlein arrancou um décimo lugar na Áustria. O indonésio só chegou à frente do companheiro em duas corridas. Pelas performances, não deverá deixar saudades. Ainda assim, o indonésio permanece na equipe como piloto de testes até o final da temporada. Justo para quem andou o ano inteiro juntamente à equipe.

Com a troca, a Manor consegue um ganho duplo. Primeiro, conta com dois pilotos jovens e rápidos. Embora o equipamento não ajude tanto, o ganho de qualidade na pilotagem e desenvolvimento com a vinda de Ocon para a reta final do campeonato é enorme. Vai trazer uma competição interessante entre dois jovens valores de futuro na Fórmula 1.

O segundo ganho, e talvez mais importante, é o financeiro. Agora são dois pilotos do programa de jovens talentos da Mercedes a bordo. Com isso, há um descontinho a mais no valor do fornecimento de motores ao time inglês. O que consolida a Manor como laboratório dos alemães para novos valores da Fórmula 1. Algo parecido com o que acontece entre Red Bull e Toro Rosso.

Estas nove corridas serão fundamentais para mostrar o que o jovem francês é capaz de fazer. Afinal, ele também vinha como um dos nomes especulados para a Renault na próxima temporada. E com certeza Cyril Abiteboul, diretor da equipe aurinegra, estará de olho em Ocon. Sobre as movimentações para o ano que vem falaremos na coluna do dia 26, quando a Fórmula 1 volta oficialmente às pistas nos treinos livres para o Grande Prêmio da Bélgica.

Continue com a cobertura olímpica campeã do Conexão News. Sigo de férias, mas de olho. Caso algo importante aconteça nos próximos dias, posso voltar a qualquer momento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *