Nunca é só futebol!

Danilo

Foi assim, num simples gesto de limpar as fotos do celular que acabei me deparando com uma que me fez relembrar um momento, que pra mim, ficou marcado nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Aquela pelada que os garotos estavam jogando na comunidade da Rocinha. Ao mesmo passo em que sonhos com certeza passavam pela cabeça deles, uma realidade inversamente proporcional a que vivem, de plano de fundo tinha a realidade que cerca quase  boa porcentagem dos garotos que sonham em ser jogador de futebol, aqueles que um dia vão usar o velho e belo discurso “quis mudar a realidade da minha família com o futebol”.

Futebol, pode parecer engraçado, mas é nosso pão e circo mesmo. É através de 90 minutos que a elite e os humildes se encontram, que a desigualdade deixa de existir e que todos se unem em prol de um único desejo: ver seu time vencer. Na hora do gol é aquela explosão mágica, o desconhecido vira melhor amigo, o abraço é honesto, verdadeiro. O futebol é aquela ponte que liga todos os pontos de diversos sonhos.

Assumo que entre as frases que digito penso o que passei no meio futebolístico, dentro das quatro linhas, pois nunca é só um jogo, quando se calça as chuteiras meus amigos, vocês sabem que é pra valer. Nem que seja só uma coca que está em jogo, para nós, peladeiros, é final de Copa do Mundo. Penso também o que vivi nas arquibancadas da vida, privilégios que conto aos quatro ventos: vi de perto a estreia profissional de Neymar, vi o ouro olímpico do Brasil. Fiz amigos de 90 minutos que nem sequer sei o nome, guardei momentos na memória que máquina fotográfica nenhuma registrou. É evidente um sorriso de canto de boca aparecer enquanto escrevo ao passo que fecho os olhos e como um filme momentos passam como o trailer de um filme em minha mente.

Não é apenas um jogo, é amor, é paixão. Vide o choro coletivo que foi com o desastre da Chapecoense (Vamo, vamo Chape!). Engraçado que vejo que com fosse um filme mesmo, todas as histórias no fim podem estar interligadas. Comecei falando de A e to terminando com B, pode não fazer sentido nenhum, não ter nenhuma importância que quem lê. Mas meus queridos, feche os olhos, lembre de quando jogava futebol na rua e usava tijolos ou aquele chinelo como golzinho. Lembre da sua primeira vez no estádio, lembre de quantas vezes o asfalto virou a grama do Maraca, de quantos gols marcou pela seleção e quantas Copas disputou. Nosso imaginário é o mesmo daquelas crianças que contei lá em cima, que estavam jogando bola repletas de sonhos. Todos tivemos esses sonhos, e nunca esqueçam qual foi o seu primeiro amor, que tenho plenos poderes para dizer que foi a bola.

Nunca deixem dizer que é apenas um jogo. Quando falarem, basta enumerar as mil lembranças que tem: conte do choro daquele gol aos 45 minutos que seu time fez, conte que o futebol uniu o mundo por causa de uma tragédia, conte que correr atrás de uma bola não é besteira, é amor, paixão, história e cultura nacional.

Amigos, nunca é só futebol!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *