A criação do estereótipo de país do futebol

Danilo

Qual é um dos primeiros presentes de uma criança? Uma Bola. Mas não uma qualquer, uma de futebol! Será que quando Charles Miller desembarcou no porto de Santos com uma bola de “football” em cada mão, imaginou que estaria marcando época e criando uma identidade nacional? Querendo ou não, transformou o Brasil no país da bola.

Mas é só por isso que temos essa identidade com o futebol? É por causa do Pelé, Garrincha, Ronaldo, Zico? Os motivos são simples, pode ser resumido em uma frase: Somos PENTA (apesar do 7×1)! Mas temos os melhores jogadores do mundo também, e cá entre nós os piores dirigentes!

Os chineses começaram a mania de chutar um objeto esférico, que no começo era a cabeça de um oponente de algum combate, os ingleses gostaram da mania e inventaram o football, que no Brasil, ganhou ginga, malabarismo, alegria, exuberância.

O tom de mestiçagem dado pelo negro foi fundamental para o estilo de jogo do Brasil, logo o negro que era impedido de participar dos primeiros arranca tocos. O coração da negritude brasileira pode ser encontrada na capoeira, que é uma mistura de artes marciais, música, dança e espiritualidade que veio dos escravos trazidos da África. O foco da capoeira está no corpo e dentro dessa cultura a chave para a compreensão do marcante estilo do futebol nacional.

O brasileiro é muito bom de drible e melhor ainda de finta – que é o uso do corpo sem usar a bola – é um pouco de capoeira, aí seria uma influência africana. De forma que essa mistura de branco, africano, mestiço, resultou em um verdadeiro bailarino, que é o jogador brasileiro.

Infelizmente hoje vemos um embranquecimento do futebol , o que é muito ruim, do ponto de vista do talento e da manifestação do brasileiro miscigenado.

O velho esporte bretão moldou os pensamentos, as visões e a identidade nacional. Seja pelos triunfos ou pelas atribulações (7×1) o Brasil se tornou o país do futebol.

Quem pensa que o futebol é só mais um dentre diversos esportes se engana completamente. O futebol brasileiro é cultura, assim como carnaval, festa junina, caipirinha e feijoada.

Aqui é um país onde a imagem de um garoto de favela que cresce e se torna campeão do mundo continua mais forte. Este é o país onde a esperança pode se transformar em realidade e o sonho de todo jovem jogador de futebol é tornar-se o próximo Pelé. Não existe Brasil sem o futebol, e o futebol não existiria sem o Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *