De jogador a treinador, uma conquista histórica

Eduardo Demeterco

Considerado um dos maiores pontas mundiais dos anos 80 e início dos anos 90, Renato Portaluppi nasceu em 9 de setembro de 1962 em Guaporé (RS). Iniciou sua carreira como jogador no Esportivo, mas obteve destaque mesmo quando foi contratado pelo Grêmio em 1982, conquistando em 1983 a Taça Libertadores da América e o Mundial Interclubes que era conhecido como Copa Intercontinental na época onde marcou os dois gols da vitória sobre o Hamburgo.

 

Em 1987, Renato começou a brilhar no Rio de Janeiro e foi  que ficou conhecido por “Rei do Rio” graças ao seu sucesso no futebol carioca. Com passagens pela seleção brasileira, polêmicas entre os clubes que jogou, promessas feitas e não cumpridas, o gaúcho teve uma carreira de sucesso e decidiu se aposentar para fazer faculdade de Educação Física. Dois anos depois, iniciou sua carreira como treinador no Madureira, onde permaneceu ganhando experiência durante dois anos. Entre várias idas e vindas na vida com o Fluminense, foi lá onde conseguiu escrever seu nome na história do clube devido a conquista inédita de uma vaga na final da Libertadores contra a LDU Quito, do Equador. Infelizmente acabou derrotado sendo vice-campeão da competição. No dia 18 de setembro de 2016, Renato iniciou sua terceira passagem pelo Grêmio e conquistou o pentacampeonato da Copa do Brasil, ficando marcado como o treinador que conseguiu terminar o jejum de 15 anos sem nenhum título com expressão nacional no clube gaúcho. 

 

Em 2017, mais precisamente ontem, dia 29 de novembro, Renato Portaluppi conseguiu conquistar mais um feito inédito em sua vida, ser o primeiro brasileiro a conquistar a Taça Libertadores da América como jogador e depois como treinador. Renato é o oitavo técnico a conseguir atingir essa marca e se juntou à cinco argentinos, sendo eles: Humberto Maschio, Roberto Ferreiro, José Omar Pastoriza, Nery Pumpido e Marcelo Gallardo. Além deles, também fazem parte da lista os uruguaios: Luis Cubilla e Juan Mujica. 

 

Depois desta conquista, acredito que mais do que nunca, o pedido de ganhar uma estátua deve se tornar realidade após tantas conquistas e alegrias para o torcedor tricolor gaúcho. O que esperar de Renato Gaúcho após a conquista da Libertadores? Muita festa, descanso e uma possível renovação de contrato para permanecer em 2018 no comando gremista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *