O dia em que o voo dos Eagles foi o mais alto – Conexão News

O dia em que o voo dos Eagles foi o mais alto

ANA

No último domingo aconteceram as finais de conferência da NFL. De um lado, pela AFC, tivemos New England Patriots contra Jacksonville Jaguars; e do outro, pela NFC, tivemos Philadelphia Eagles enfrentando o time que tinha a melhor campanha da conferência, os Vikings de Minnesota. E o que a maioria esperava que fosse acontecer não chegou nem perto de se concretizar.

 

Torcedores dos mais diversos times, exceto os do Eagles, apostavam que a 52ª edição do Super Bowl seria realizada com um confronto dos Patriots contra os Vikings, mas o que veremos no próximo dia 4 vai ser o encontro do time de New England contra o time da Philadelphia. Eu particularmente acredito que o time de Minnesota apresentaria mais ameaças aos Patriotas, mas também não desacredito que possamos ter uma enorme surpresa.

 

Mas toda essa montanha russa que acontece semanalmente na NFL é o que torna esse esporte tão apaixonante. Nada é garantido até o apito final, nenhum time tem total soberania sobre outro, é muito difícil que um time saia da temporada regular com invencibilidade, em algum momento um adversário vai se tornar maior. Não existe impossível.  E nenhuma falha durante o jogo é perdoada. Não existe milagre. Ou será que existe?

 

O que separou os homens dos meninos nessa final de conferência foi o desempenho brilhante da defesa de Philadelphia nas duas últimas partidas, contra o Atlanta Falcons e contra o Minnesota Vikings; e graças a um jogador em especial, Nick Foles. O quarterback dos Eagles chegou a preocupar os torcedores no início, mas a preocupação deu lugar ao louvor em minutos. Nos playoffs o jogador era basicamente uma incógnita, e o time? A zebra em todas as casas de apostas.

 

O que já era visto como difícil antes mesmo da partida começar se tornou ainda mais preocupante quando já nas três primeiras tentativas de descidas Foles teve passes incompletos. Os torcedores pareciam ainda mais desacreditados naquilo que agora se aproximava de ser um milagre, mas isso mudou quando, já na sequência, foram 10 passes completos em terceiras descidas, o que convertendo resultaria em nove first downs.

 

Além disso, Foles fez um passe em profundidade, coisa que não tinha feito até então – desde desde o início da temporada regular o quarterbacker tinha apenas um passe completo para mais de 20 jardas. Para comparação, na final de conferência, no último domingo, foram 4 completos para a mesma quantidade de jardas. Nessa altura os torcedores da Philadelphia já começavam a acreditar em milagres e a ver o Super Bowl como realidade, enquanto os dos Vikings pareciam não acreditar no que estava acontecendo, era como se eles tivessem nadado e estivessem morrendo na praia.

 

E realmente estavam, mas isso só ficou realmente claro no terceiro quarto. O time de Minnesota não anotava mais ponto algum, estavam estagnados nos 7 pontos que conseguiram ainda no primeiro quarto, enquanto os Eagles anotavam 31. De um lado, os torcedores dos Vikings estavam atônicos; por outro, fãs do esporte ao redor do mundo acompanhavam a partida maravilhados com o que acontecia, maravilhados por saber que só a NFL poderia proporcionar um momento daquele. E esse clima permaneceu até o final do 4º quarto, quando a classificação dos Eagles foi concretizada por um placar de 38-7. Nick Foles mereceu todos os aplausos que recebeu no estádio e ao redor do globo. Se existe ou não milagre na NFL, não da para dizer ou afirmar, mas o que aconteceu no domingo foi operado pelo santo Foles e não tem quem consiga negar isso.

 

Desse modo, o Super Bowl será entre New England Patriots, que venceu a conferência contra o Jaguars em um jogo acirrado de 24-20, e o Philadelphia Eagles; o jogo acontecerá no U.S. Bank Stadium em Minnesota. Sim, os Vikings não só perderam a conferência como perderam o #SuperBowlEmCasa.

 

É importante lembrar que essa é a terceira aparição dos Eagles em um Super Bowl e a décima dos Patriots. Na temporada de 2004, inclusive, os times se encontraram na final e o time de New England saiu vitorioso pelo placar de 24-21. Se a final vai se repetir ou se teremos um destino diferente para o Troféu Vince Lombardi nesse ano, só vamos saber no dia 4 de fevereiro às 21h30 no horário de Brasília, quando veremos Tom Brady frente a frente com Nick Foles. Nesse ano, o Halftime Show será realizado por Justin Timberlake, que vem se preparando para o espetáculo há praticamente 5 meses.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *