FIFA confirma que não há evidências de doping para a Copa do Mundo deste ano

Willian Souza

Faltando 20 dias para a maior competição futebolística do mundo, a Federação Interacional de Futebol (FIFA), anunciou nesta terça-feira (22) que a seleção Russa, alvo de denúncias sobre o uso de doping, não há vestígios nos convocados que confirmem as acusações. Ainda de acordo com a Federação, não foi confirmado nenhum caso para esta edição do campeonato e que os países participantes continuaram a fazerem os exames.

Os exames realizados são de urina e de sangue, que tem seus resultados revelados em menos de 24 horas. Caso algum resultado seja positivo, confirmando a presença de substâncias que são proibidas, o jogador em questão perde seu direito em competir. Os objetivos contra a dopagem segundo a FIFA é para que todos tenham as mesmas chances na disputa, preservar a integridade física e mental do atleta e manter e defender a ética no esporte.

Em dezembro de 2017 o jogador peruano, Paolo Guerrero, foi suspenso por um ano de participar de competições, pelo uso de substâncias em seu corpo. O exame realizado após o jogo contra a Argentina em outubro, pelas eliminatórias da copa, apresentou que Guerrero denunciou a presença de benzoilecgonina, metabólito presente na cocaína. O atacante perdeu a oportunidade de defender seu país que retorna à Copa do Mundo após 36 anos.

guerrero-durante-partida-pela-selecao-peruana-1513872972304_v2_900x506

Outro caso que chocou o mundo e sobretudo os amantes de futebol aconteceu em 1994 com o ídolo da antiga seleção argentina, Diego Maradona. No dia 25 de junho, após a partida contra a Nigéria, o argentino foi denunciado por utilizar efedrina natural e mais quatro derivados sintéticos. Essas substâncias agem sobre o sistema nervoso central e circulatório, com o efeito de melhorar os reflexos, aumentar a oxigenação do sangue e diminuir a sensação de fadiga.

Segundo o laudo da FIFA, Maradona tomou os estimulantes numa dosagem entre cinco e dez vezes mais alta do que a dosagem da substância usada como descongestionante. Com a suspensão de Maradona, a Argentina ficou com um amargo 10º lugar naquele ano.

Nas últimas edições do mundial, nenhum caso de doping foi detectado. Entretanto, os indícios contra a seleção Russa se deram principalmente após o escândalo nos Jogos Olímpicos de 2016 que tiraram a equipe de atletismo dos jogos. Neste ano, a expectativa é que nenhum jogador seja suspenso pelo uso de entorpecentes e que tanto os jogadores quanto os torcedores, possam desfrutar da melhor maneira o mundial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *