Efeito Felipão na Libertadores

ASSINATURA CLAUDEMIR

 

Uma estreia pra lá de animadora de Felipão no banco do Palmeiras na principal competição do ano. Jogando pela Taça Libertadores da América, em Assunção, já deu para ver uma nova cara no verdão do Palestra Itália. O time aproveitou todas as oportunidades, uma vitória que encaminhou a classificação para as quartas-de-final do time que tem a melhor campanha da fase de grupos. Desempenho excelente e palmas pelo placar de 2 a 0 que praticamente carimbou a vaga para a próxima fase da competição.

Já o Corinthians foi muito mal fora de casa e poderia ter sido pior, 1 a 0 ficou baratíssimo e o Colo Colo perdeu a chance de encaminhar muito bem a eliminação do timão. O problema é que o Corinthians mal foi a Santiago. Pedrinho e Clayson mais marcando (pouco) que atacando (nada), Romero e Jadson distantes à frente e na articulação, e os volantes não conseguindo proteger a zaga exposta à habilidade de Valdivia e companhia realmente limitada. Um pouco mais de velocidade e agressividade e o mandante teria mandado muito melhor. A classificação brasileira ainda é possível, mas não sei o que é pior: ser eliminado agora ou pelo palmeiras na próxima fase, tecnicamente ao meu ver (posso queimar a língua), mas o time do Parque São Jorge não passará pelo maior rival.

Na Argentina foi ruim demais, mas tem a volta na Arena do Grêmio, e o resultado pode ser de felicidade ao tricolor gaúcho. O time treinado por Renato Gaúcho começou bem em Quilmes, mas um contra-ataque mortal do time adversário com um tiro impensável, improvável e indefensável de fora da área (Apaozala), 8 minutos do primeiro tempo, abriu a contagem para o Estudiantes e desestabilizou o time brasileiro que levou mais um gol (Campi) aos 37, time gaúcho entregue, irreconhecível, ainda mais para um tricampeão da América. A reação veio rápido, aos 43 do primeiro tempo, com gol de cabeça do Kannemann. O Grêmio voltou ao jogo e parou por aí. Decepcionou o Grêmio. Mas se tem um clube que consegue virar esses jogos e essas próprias frustrações é o tricolor gaúcho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *