Ganso: o craque que nunca vingou

ASSINATURA DANILO

Lances geniais, passes de maestro, encantador, aquele jogador que enchia os olhos. Deixava os companheiros na cara do gol, fazia gols. Ditava o ritmo do time. Era tido como craque. Camisa 10 clássico. O futuro dono da camisa que era de Pelé na seleção, afinal de contas, já usava a 10 do Rei no escrete do time da Vila Belmiro. Ele era o nome da geração, a cara do time. Neymar? Pare, quem vai ser craque é o Ganso. Ele sim era o cara que dava gosto ver. Sem firulas, objetivo e… nunca passou de uma promessa!

Hoje todos os adjetivos usados para definir Paulo Henrique Ganso são inúteis. Ganso surgiu como promessa a craque, mas foi aquele que nunca vingou, vide Alexandre Pato e Keirrison. O Ganso não é o mesmo que encantou o Brasil em 2009, 2010 e 2011. Aquele que foi clamado por torcedores e pela mídia para ir à Copa de 2010. Aquele que era o símbolo de uma nova geração do futebol brasileiro. Ganso nunca foi e nunca será. Hoje está com quase 30 anos e pasmem, podemos dizer que em fim de carreira.

Ganso brilhou no Santos, saiu brigado e foi vendido para o rival São Paulo. Se brilhou no tricolor paulista? Teve nuances de brilho e nada mais. Nada como aquele Ganso que ganhou títulos paulistas, da Copa do Brasil e da Libertadores encantando a crítica. Cá entre nós, Ganso passou de ator principal no Santos para coadjuvante de Neymar. E, não deve ser nada fácil ser coadjuvante do mimado Neymar, ainda mais com a mídia baba ovo em cima dele. Mas Ganso parecia não se importar, ou apenas aparentava não dar importância.

Mas a verdade é que ele sempre quis trilhar o destino que Neymar seguiu. Ganso não conseguiu ir para um clube de ponta na Europa, aliás, Ganso não é jogador para o futebol europeu. Ele é lento, mais lento do que era nos primórdios do sucesso do inicio da carreira. Aquele brilho, aquela classe, aquela maestria, podem até voltar no Fluminense. Mas Ganso volta para o Brasil com a imagem arranhada de quem não conseguiu sequer jogar em um clube pequeno no futebol francês. Sim, nem no futebol francês o Ganso conseguiu jogar.

A ida para o Fluminense pode ter contornos de reinício para o ex menino da Vila Belmiro, mas na verdade tem contornos de fim de carreira. No Fluminense, sem estrutura, sem elenco decente e sem um vistoso futebol nos últimos anos, Ganso se torna a possível galinha dos ovos de ouro, mas pode muito bem ser o centro de uma decadência eterna para aquele que já vestiu a 10 do Rei Pelé.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *