COB e CBB pagam juntas o salário do treinador da seleção masculina de basquete

ASSINATURA DANILO

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) está de olho na vaga do basquete masculino nos Jogos de Tóquio-2020 e desde março de 2019 o técnico Aleksandar petrovic figura na lista de colaboradores do COB, com o salário bruto de R$15.466,67. O croata passou a ter parte do salário pago pelo COB, anteriormente o próprio presidente da Confederação Brasileira de Basketball  (CBB), Guy Peixoto, arcava com os custos do técnico que assumiu o Brasil em outubro de 2017.

No acordo com o COB, a CBB paga uma parte do salário do técnico que mora na Europa e passa alguns períodos no Brasil. Vale lembrar que a CBB está sem um patrocinador master e recebe incentivos da Lei Agnelo Piva. O basquete masculino caiu na primeira fase das Olimpíadas Rio-2016 e vai encontrar bastante dificuldade para se classificar para Tóquio-2020.

Neste ciclo olímpico a classificação do basquete para os Jogos será diferente. Das 11 vagas em disputa (Japão já está classificado por ser país sede), sete vão ser preenchidas diretamente através do mundial, mas não serão os sete primeiros colocados. A FIBA determinou que as vagas diretas serão distribuídas da seguinte forma: uma para o melhor país da África, uma para Ásia e uma para Oceania e, duas vagas para os melhores países da Europa e América. Com isso sobram apenas quatro vagas para as Olimpíadas que serão distribuídas em quatro torneios pré-olímpicos que serão disputados pelas 16 melhores seleções do Mundial da China, não importando continente e que não estejam entre as sete já classificadas pelo critério determinado pela FIBA. Mais oito países serão convidados a disputar as competições e serão determinados pelo seu desempenho anterior nas Eliminatórias, sendo: 2 da Europa, 2 das Américas, 2 da África e 2 de Ásia + Oceania.

Petrovic foi jogador de basquete e conquistou o bronze nas Olimpíadas de Los Angeles 1984 com a então Iugoslávia, ele se aposentou em 1991 e começou a seguir como técnico. Em 2016 comandou a Croácia nas Olimpíadas Rio-2016 e terminou em 5º lugar após ser eliminado nas quartas de final para a Sérvia – que terminou com a medalha de prata.

Além do treinador da seleção brasileira masculina de basquete, o COB também arca com os salários dos seguintes técnicos: Fernando Possenti (maratona aquática), Aleksandar Petrovic (basquete), Marcos Goto e Francisco Porah (ginástica artística), Lauro de Souza (canoagem velocidade), Yuko Fuji (judô), Bernardo Tobar (tiro esportivo) e Torben Grael (vela).

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *